Heisenberg: O Rabugento

– Mas que saco, todo dia essa putaria no vizinho! O gentinha pra fazer festa essa viu!–

– Como podem, com tantos problemas na vida, esses filhos da puta, ficam ouvindo essa merda de samba e pagode, e o pior é que ouvem essa merda no ultimo, acho que esses desgraçados não limpam a porcaria do ouvido ou já estão com a audição totalmente prejudicada, não é possível! – Ei abaixa essa merda seu filho da puta! Ninguém aqui quer ouvir esse zunido de rato, que você chama de musica seu corno! – A puta da tua mulher tava se agarrando no pescoço de outro macho ai esses dias, seu viado!

– Ahhhh, vai a merda seu velho idiota, não enche o saco! – um dos rapazes gritou e mostrou o dedo do meio.

– Mas que moleque insolente! MARIA, MARIA, MARIA! – Mas cada essa mulher quando a gente precisa dela, puta que pariu! Ei Maria, cadê você Maria, oh meu deus do céu, mas que caralho mesmo! –

– O que foi Heisenberg! – ela gritou lá do andar de baixo.

– Oh Maria, onde é que tá o meu 38, eu preciso dele! –

– O que? –

– O meu 38 Maria, oh meu deus do céu, puta que pariu viu! –

– O seu revolver está na policia federal, Heisenberg! Nós deixamos ele lá no ano passado, lembra! –

– Porra Maria, e porque diabos nós fizemos isso! Eu to precisando dele agora Maria! –

– Nós o levamos na época que o governo fez uma campanha pelo desarmamento não se lembra! –

– Não porra, não me lembro caralho! Mas que se foda o desarmamento Maria, eu preciso de um revolver agora, caceta! –

– Heisenberg, dá pra você parar de gritar e descer aqui, pelo amor de deus! –

– Ai meu cu viu, meu cu! O que eu faço agora Maria, eu preciso do caralho de uma arma e não tenho! –

Maria se cansou de gritar de um andar para o outro, subiu as escadas e ao chegar à porta do quarto, viu o velho Heisenberg balançando loucamente sua bengala sob sua cabeça e fazendo gestos obscenos na sacada do quarto.

– Ai meu deus Heisenberg, com quem você ta arrumando confusão agora, seu doido! –

– Porra Maria, como assim com quem, só pode ser com a merda desse vizinho que tá ouvindo esse cacete de musica no ultimo, você não ta ouvindo! –

– Sim, eu estou ouvindo, mas não adianta você gritar e esgoelar daqui, porque eles estão dentro da casa deles, e é apenas meio dia, meu querido! –

– Foda-se Maria, eu to dentro da minha casa e não quero ouvir esta merda de pagode, musica do demônio essa bosta, é isso que é! Olha lá Maria, esses moleques dos infernos tão me provocando! AAAAAAAHHHHH seus filhas da puta, eu vou meter um tiro no rabo de cada um de vocês, seu bando de cornos! –

– Se acalme Heizinho, olha a sua pressão alta! –

– Foda-se o caralho da pressão Maria, eu vou fuder com a vida desses bostas! – Ele gritava e acena loucamente para o grupo de rapazes, que ria e se divertia as custas do velho Heisenberg.

– Mas que filhos da puta, olha lá Maria, esses cornos tão me sacaneando! Me passa alguma coisa bem pesada, que vou tacar na cabeça deles Maria! – ele buscou pelo quarto com os olhos algo bem pesado, foi mancando apoiado em sua bengala até o criado mudo e pegou o abajur. Maria ao ver o que o velho Heisenberg pretendia fazer correu atrás dele e tomou da sua mão o abajur.

– PORRA Maria, me devolve essa merda, que eu vou arregaçar a cabeça de um daqueles filhos da puta! –

– NÃO, você não vai tacar nada, chega de graça Heisenberg, acabou a brincadeira, você me ouviu! – os olhos de Maria faiscavam e sua expressão não era muito amigável, o velho Heisenberg sabia que ele tinha se excedido, pois Maria só fazia aquela cara quando ele tinha passado dos limites.

– Caralho Maria, esses putos me insultam e você os defende! –

– Não estou defendendo ninguém, mas, você não vai jogar o meu abajur na cabeça de uns garotos idiotas, só porque eles estão te provocando, e quer saber, a culpa é sua, foi você que foi lá incomoda-los! –

– Mas! –

– Sem mais Heisenberg, você sofre de pressão alta e não pode ficar se estressando dessa maneira, não quero você tendo outra crise, quer ter outro infarto seu velho rabugento! –

– Ah véio tonto, otário! Aparece ai seu mané, seu bundão. – o grupo de rapazes gritava freneticamente lá embaixo do quintal do vizinho. Maria foi até a janela e meteu o esporro neles.

– Ei vocês, parem de gritar na minha janela, vocês querem fazer a festa de vocês tudo bem, mas deixem o meu marido em paz, ele tem pressão alta e não está passando bem! Agora vão curtir a festa de vocês, vão, vão! – o grupinho foi se dispersando, indo na direção de onde a musica tocava. Por fim sem haver mais ninguém por ali, Maria fechou a janela e saiu do quarto retornando ao andar de baixo da casa.

– puta que pariu viu, e ainda por cima tenho que aguentar essa merda, caralho, porra! – resmungou Heisenberg.

Mas lá de baixo Maria gritou.

– E sem resmungar, seu VELHO RABUGENTO! –

Escrito por Cesar augusto batista.

Bauru, 14 de abril de 2014.

Para copia desta obra, peço que solicite e que siga algumas regras.

1-      A obra deve ser apresentada por inteiro, sem nenhuma alteração.

2-     Toda referencia que for feita desta obra deve obrigatoriamente conter o nome do autor.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s